Restaurantes na nuvem

Por Juliana Bechara Parente – do Bioma Food Hub em colaboração com a Food Ventures

O promissor modelo de food delivery (Parte 1)

O setor de restaurantes acabou sendo extremamente afetado pelo distanciamento social imposto pela COVID-19. Enquanto muitos desses restaurantes correram para se adaptar à nova realidade dos deliveries e da experiência dentro da casa do consumidor, existe uma parcela significativa de negócios para a gastronomia que só viu aumento de demanda e, consequentemente, prosperidade no modelo implementado.

Pardon my English, estou falando das famosas cloud kitchens — ou dark kitchens, como às vezes também são chamadas — . Termo emprestado do inglês (o qual remete às nuvens de armazenamento de dados, as quais não necessitam de um lugar físico para fazer o negócio acontecer), ele se refere às cozinhas montadas já com o foco em delivery e experiência dentro de casa. O foco das cloud kitchens é a comida, nada mais do que a comida. Enquanto muitos estabelecimentos do food service se empenham em entregar experiência no salão, as cloud kitchens se esforçam para entregar qualidade, rapidez e satisfação dentro da casa do consumidor. Por isso, como mencionado acima, eficiência é a chave do negócio.

A tecnologia e os aplicativos de delivery são grandes aliados desse modelo. Eles não só abriram caminho para que consumidores aprendessem a pedir mais comida em casa (algo não tão comum ao brasileiro), mas também facilitam, hoje, a alta demanda de refeições em casa ou no trabalho.

Exemplos de negócios nesse modelo

No Brasil alguns negócios já começaram a chamar a atenção. Um deles é a Mimic. Responsável pelo delivery de Patties — os queridinhos hambúrgueres inspirados nos anos 20 — , e do café da manhã à lá Nova York do Botanikafé, a Mimic, fundada em 2019, cuida de todo o processo do delivery de seu cliente. São eles que preparam, embalam e entregam a refeição. Ou seja, são os responsáveis por contratar a equipe de cozinha exclusivamente para fazer a comida daquele determinado restaurante, e comandar todo o processo de food delivery: desde o pedido até a entrega final. Tudo que o restaurante parceiro deve fazer é ensinar a fórmula secreta e acreditar que o cliente ficará tão satisfeito quanto comendo in loco.

Seguindo uma linha diferente, vem ganhando bastante notoriedade o Papila Deli. Totalmente construído “na nuvem” e com menu comandado pelo chef Antonio Mendes, o Papila começou servindo apenas poke (tradicional prato havaiano) pela facilidade do alimento frio não sofrer muito com o transporte. Democrática e detalhista, conta com uma versão vegana saborosíssima de poke desde seus primeiros dias.

Eles também sempre se preocuparam com aparência e detalhes de preparo: a montagem no “prato”, a combinação de ingredientes, o cuidado para que ingredientes molhados não amoleçam os secos (como é o caso da alga e das castanhas), dispensando aquela quantidade desnecessária de potinhos e saquinhos plásticos e, por fim, eles prezam pelo tempo de entrega (fator extremamente relevante nesse novo modelo de negócio).

O que notamos, é que negócios que nascem e se voltam apenas para o delivery, possuem mais agilidade para se adaptarem e se atentarem a relevantes questões da vida contemporânea: embalagens, quantidade de ingredientes, desperdício de alimentos, entre outros fatores como treinamento de pessoal e gestão de pessoas dentro da cozinha (palco central do negócio).

Fora do Brasil as “cozinhas nuvem” são tidas como o investimento do século. Projeto iniciado na Índia, a Rebel Foods — maior cloud kitchen do mundo — foi recentemente avaliada em 525 milhões de dólares e planeja breve expansão para o Oriente Médio e Sudeste Asiático.

O movimento dessas cozinhas é um marco no cenário alimentar brasileiro. Não só pelas significativas mudanças de consumo que elas promoveram, mas também pelo maior acesso à comida boa e de qualidade que elas podem entregar.

Já imaginou chefs da alta gastronomia oferecendo comida de qualidade e mais acessível à uma maior parcela da população?! Sem os custos fixos que envolvem manter um restaurante físico, os chefs podem ter muito mais liberdade para trabalhar alimentos locais, ricos e biodiversos.

É um enorme benefício para a população — desde que haja consciência tanto da parte do restaurante: ao escolher embalagens, ingredientes e produtos, e conscientizar o cliente de como consumir e descartar responsavelmente tudo que entra em sua casa, quanto do cliente: de entender o balanço ideal entre pedir comida e cozinhar em casa.

Quer saber mais sobre as cloud kichens? Fique ligado, pois teremos continuação!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s